Profissionais de Libras da Rede Municipal participam de formação continuada S

Professores, instrutores e intérpretes de libras da Rede Municipal de Educação participaram na tarde desta quarta-feira (12) de uma formação continuada promovida pela Secretaria de Educação e Cultura de João Pessoa (Sedec-JP), por meio da coordenação de Educação Especial. O primeiro encontro aconteceu no auditório 412 do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

“Esse é um trabalho que mostra que a secretaria de Educação valoriza esses profissionais, essa língua. A gente dá um passo largo, uma vez que não temos isso na região Nordeste. É um trabalho realmente de incentivo para toda a categoria de Libras”, explicou Rosângela Melo, professora de Libras da Rede Municipal e responsável por coordenar a formação.

Os participantes terão que cumprir uma carga horária de 60 horas. Os encontros irão acontecer quinzenalmente até novembro. O primeiro dia de formação foi ministrado pelo vice-coordenador de Letras/Libras da UFPB, Hermano de França Rodrigues. Ele explicou qual a diferença da literatura surda para as outras literaturas, como os profissionais devem trabalhar nas escolas e qual a importância na formação do indivíduo.

Hermano de França também irá supervisionar todo o processo de formação. “A Prefeitura Municipal de João Pessoa está de parabéns porque ofertar Libras para a população implica em inclusão, sobretudo para os surdos. E a gestão faz o papel dela. Se compararmos o passado com o presente o que a Prefeitura faz hoje nesse campo é incomparável em termos de melhoria, inclusão e acessibilidade”, disse o vice-coordenador de Letras/Libras da UFPB.

Os encontros serão em forma de oficinas onde cada categoria terá seu objetivo específico. Os professores irão construir um material didático que será disponibilizado para as escolas de Ensino Fundamental I, os instrutores de libras vão estar estudante acerca da pedagogia surda e os intérpretes também irão trabalhar áreas específicas de tradução como no campo da língua inglesa.

A professora Sandra Diniz trabalha com Libras há 20 anos e sabe da importância de participação de uma formação continuada. “Eu acredito na inclusão. A formação vai nos proporcionar um enriquecimento de como trabalhar Libras como uma primeira e segunda língua. Precisamos de estratégia de como trabalhar com os alunos e é para isso que estamos aqui”, falou a professora.

Secom
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.