Procon-JP chama a atenção para promoções muito ‘atraentes’ e dá dicas para uma compra segura

Julho é um dos meses do ano em que o comércio anuncia grandes ‘promoções’, com as vitrines estampando cartazes com redução de até 80% nos preços. Mas, esses descontos existem mesmo? Será que aquele sapato tão desejado está mesmo 50% mais barato? A Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) alerta ao consumidor pessoense para observar se oferta é mesmo real e verificar se o produto está em boas condições de uso e se vale aquele valor.

A orientação da Secretaria é que o consumidor aproveite mesmo as promoções oferecidas, tanto pelo comércio físico quanto virtual, mas fique atento para a chamada ‘maquiagem’ nos preços, porque existe o risco dos produtos terem o valor aumentado alguns dias ou semanas antes do desconto anunciado, parecendo que existe um desconto muito maior do que existe na realidade.

O secretário do Procon-JP, Ricardo Holanda, afirma que existe o risco de alguns lojistas se aproveitarem da boa-fé do consumidor e oferecer um desconto que na verdade não existe. “Além de verificar se o produto está em boas condições, a pessoa deve ficar atenta para ofertas muito abaixo do padrão de mercado ou na comparação com o valor inicial do produto”.

À vista e no cartão - Outra questão levantada pelo secretário é quanto à visibilidade do valor, tanto para pagamento à vista ou no cartão. “Como agora o empresário pode cobrar preços diferenciados, o consumidor deve prestar atenção se o valor ofertado na promoção também está valendo para as compras no cartão de crédito. Se isso não ficar claro, ele deve exigir que o estabelecimento anuncie isso de forma clara e visível e, se não houver resposta positiva, deve acionar o Procon-JP imediatamente”.

Sites - O titular do Procon-JP informa que em relação às compras pela internet, os consumidores precisam ficar atentos e dá preferência a sites com boa reputação no mercado e desconfiar, também, dos preços muito baixos. “As pessoas devem conferir se a empresa existe de fato e de direito (CNPJ, endereço e telefone de contato) e, em caso de dúvida ou se identificar algum problema durante a transação, entrar logo em contato com os órgãos de defesa do consumidor”.

Ricardo Holanda acrescenta que “se o consumidor realizar compra via internet, ele pode desistir do contrato e pedir o dinheiro de volta no prazo de sete dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, como garante o Código de Defesa do Consumidor. O direito de arrependimento vale para qualquer produto ou serviço, mesmo sem defeito”.

Dicas para a compra segura:

Preço - Ao passar no caixa em loja física ou confirmar o pagamento em loja virtual, o consumidor deve conferir se o preço é igual ao anunciado. É dever do fornecedor cumprir o preço exibido nas prateleiras e nos anúncios.

Cheque ou cartão - O estabelecimento comercial não é obrigado a aceitar pagamentos em cheque ou cartões, mas deve informar isso ao consumidor de forma clara para evitar dúvida ou constrangimento.

A prazo - O fornecedor tem a obrigação de mostrar, nas compras a prazo, o preço à vista e todas as taxas de juros e custos do contrato que incidam no valor final.

Dados - A oferta e apresentação de produtos ou serviços devem assegurar informações corretas, claras, precisas, e em língua portuguesa, trazendo dados sobre as características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem.

Riscos - O produto não pode oferecer riscos, especialmente para crianças e idosos, por isso o consumidor deve ficar atento ao selo do Inmetro e a idade indicada para criança, em caso de brinquedo.

Nota fiscal - A nota fiscal é a prova das condições da compra. Ela é importante nos casos de troca ou conserto do produto.

Troca - Se o produto não apresentar defeito, o fornecedor não é obrigado a trocá-lo só porque o consumidor não gostou da cor, do modelo ou do tamanho. Por isso, pergunte sempre ao vendedor se há prazo de troca para o produto que pretende comprar.

Defeito - Se o produto vier com defeito, o problema deve ser solucionado pelo fornecedor em 30 dias.

Internet - Se o consumidor realizar compra via internet, ele pode desistir do contrato e pedir o dinheiro de volta no prazo de sete dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço. O direito de arrependimento vale para qualquer produto ou serviço mesmo sem defeito.

Abusivas - Se o contrato de adesão de um produto ou serviço trouxer cláusulas abusivas de acordo com as diretrizes do CDC, elas podem ser anuladas sem prejuízo ao consumidor.

Secom
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.