Pais não devem levar crianças para comprar presentes; veja dicas para economizar

O Dia das Crianças, uma das datas mais esperadas pelos varejistas, está se aproximando. Comemorada no dia 12 de outubro, a data tem previsão de movimentar uma receita de R$ 7,3 bilhões, segundo a pesquisa realiza pela Fecomércio RJ/Ipsso. Como de costume, os familiares pretendem presentear as crianças e, assim, alegrar os pequenos. O consumidor, no entanto, precisa se prevenir para não cair em armadilhas. O advogado Dori Boucault aponta quais os direitos do consumidor e dá dicas sobre quais os cuidados as pessoas devem ter nas relações comerciais diante de diversos aspectos. Não levar as crianças para as compras é uma das dicas.

Nota fiscal

O primeiro alerta do especialista é que o cliente sempre deve exigir a nota fiscal: “Sempre peça sua nota fiscal e a guarde para ter seus direitos garantidos e também como forma comprobatória de sua compra”, afirma Dori.

Amostras disponíveis

Uma informação importante a ser dada ao cliente é que produtos que vêm em embalagens lacradas devem ter amostras disponibilizadas para teste fora delas. Os brinquedos para crianças podem ser testados antes de se efetuar a compra. “O fornecedor deve disponibilizar amostras dos produtos para que o consumidor consiga analisar as peças que são imperceptíveis dentro da caixa”, ressalta Boucault.

Troca e devolução

Para caso de trocas, há algumas regras previstas em lei. “Se o produto estiver com defeitos de fabricação, a troca é garantida pelo Código de Defesa do Consumidor. Caso o seu problema não seja resolvido, dentro de 30 dias, você pode exigir a substituição do produto por um igual ou equivalente ou ainda pedir a devolução do dinheiro”, explica o advogado.

Como muitas vezes as crianças não gostam dos presentes, ou em casos das roupas que não servem, o jurista orienta que, antes de realizar a compra, é bom conversar com o lojista e verificar se ele realiza a troca por cortesia. “Geralmente as lojas efetuam a troca por cortesia. Mas vale avisar quando você compra em loja física e testa o produto, o estabelecimento não é obrigado a trocar a peça depois. Por isso, pergunte antes”, lembra.

Compras online

Se for realizar compras online, é importante ressaltar que o consumidor pode desistir do produto em até sete dias úteis sem precisar se justificar. Além disso, as entregas também são de responsabilidade do fornecedor. Logo que receber o produto, o comprador deve ficar atento se há ou não danos.

Atenção a embalagens

“As embalagens devem conter informações sobre a idade destinada, riscos, informações sobre o fabricante, descrição dos itens e como montá-los”, observa Dori.

Boucault também alerta para o caso de não cumprimento dos direitos do consumidor, que deve recorrer a órgãos de defesa ou procurar um advogado especialista para mover uma ação.

Cuidado com os gastos

No período em que o país está passando, as pessoas precisam economizar e ficar atentas a gastos extras. O advogado, que também é consultor financeiro, dá dicas de como economizar no Dia das Crianças. Segundo Boucault, as pessoas devem tomar muito cuidado nesse período do ano, pois, conforme explicou, as lojas costumam abusar nos preços e o consumidor pode sair perdendo. 

Ele recomenda cuidado com palavras sedutoras como “liquidação”, “desconto”, “promoção”. O usuário deve tomar cuidado com as palavras que dão a entender está economizando. “Em períodos próximos a épocas comemorativas, muitos estabelecimentos dobram os preços médios dos produtos e fazem uma pequena subtração (desconto) para você achar que está economizando”, revela Dori Boucault.

Não deixe para a última hora 

Faça uma comparação de preços. Vários sites e aplicativos ajudam nesse momento. Se possível, compre antes da semana do dia 12. “As pessoas têm o costume de comprar no primeiro lugar que encontram o produto e, muitas vezes, acabam comprando pelo dobro do preço”.

Não leve as crianças na loja 

Crianças são levadas pela emoção e pela publicidade são atraídas para os produtos mais caros. “Muitos familiares têm dificuldade de dizer não à criança, o que dificulta se você está tentando economizar”.

Pagamento sempre à vista

Pagamentos a prazo geralmente vêm em sequência de juros. “Quando você compra algo à vista sabe que pode gastar apenas aquele valor, então, além do mais, alguns lojistas concedem descontos através dessa forma de pagamento. Tente comprar em dinheiro, quando realiza a compra pelo dinheiro em espécie você consegue ter mais noção do quanto está gastando”.

Fuja de comércios ilegais

Apesar dos valores serem mais baixos em comércios ilegais, o advogado desaconselha à prática. “Dentro desses comércios você não consegue saber a procedência dos produtos, se são tóxicos ou prejudiciais à saúde da criança, além de não ter uma nota para comprovar sua compra. O mais barato pode sair mais caro”, lembra.

Fonte:Portal Correio
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.