Depoimentos denunciam padres por pedofilia e sexo dentro de igreja na PB

Depoimentos sigilosos prestados ao Ministério Público do Trabalho (MPT) na Paraíba trazem novas denúncias de pedofilia praticada por, pelo menos, cinco padres na Igreja Católica da Paraíba. Os relatos ao procurador do Trabalho, Eduardo Varandas, foram anexados a uma ação na Justiça comum e, assim, se tornaram públicos. A Arquidiocese da Paraíba informou ao G1 que não vai se pronunciar sobre o caso.
Em um dos depoimentos, um homem que trabalha na Igreja relatou que viu um padre tendo relações sexuais dentro da própria igreja com menores de idade e que a cena se repetiu várias vezes. Ele relatou que o padre levava coroinhas e outros meninos para os quartos construídos atrás da igreja. Os meninos dormiam com o padre e saíam logo cedo, ainda de acordo com o documento.

O homem citou pelo menos quatro meninos que seriam abusados pelo padre, todos menores de cidade. Ele relatou que as vítimas eram agradadas pelo sacerdote com roupas e lanches e que também eram levadas para uma granja no interior do estado.
Sobre o mesmo padre, um segundo depoente informou que soube do envolvimento dele com cinco coroinhas. Dois deles teriam confirmado essa relação ao depoente. Ele ressaltou que o padre falava muito bem durante as pregações, inclusive contra a homossexualidade.
De acordo com o depoimento, um dos coroinhas procurou o depoente quando tinha 14 ou 15 anos explicando que estava saindo da paróquia porque o sacerdote, na própria casa, havia pedido a ele que passasse óleo nele durante o banho. Durante a conversa, o menino estava chorando e duvidando da própria sexualidade, segundo o depoente. Um outro coroinha disse para ele que teve uma convivência sexual plena com o padre dos 14 aos 21 anos.
Ainda conforme o depoimento, antes desse padre, havia meninos e meninas coroinhas. Porém, após chegar, ele resolveu admitir apenas rapazes de 15 a 19 anos.

Denúncia ao arcebispo
O depoente ainda afirmou que fez a denúncia sobre o padre pessoalmente ao então arcebispo da Paraíba, hoje emérito, dom Aldo Di Cillo Pagotto. "Que o depoente narrou tudo para o arcebispo e este, chorando, afirmou que o depoente deveria entender a situação dele como pastor, mas que tentaria resolver; que foi afirmado que tentaria, inclusive, uma ajuda ou tratamento para o Padre; que o encontro com o arcebispo ocorreu há sete anos e nenhuma providência prática foi tomada; [...] que a única coisa que aconteceu com [o padre] foi ganhar novas paróquias”, diz o depoimento.
O advogado de Dom Aldo, Sheyner Asfora, disse ao G1 que o arcebispo emérito não responde a nenhum processo e desconhece tudo que foi colhido até hoje pelo MPT. “Uma investigação que devia estar sob o mais absoluto sigilo e nós somos surpreendidos por esse vazamento, que nem se sabe a origem, se são verdadeiros ou não”, disse.
De acordo com Asfora, não está sendo respeitada a presunção de inocência. “Se ele for responder a uma ação penal, que assim o faça e que, durante o processo, teremos direito à ampla defesa, ao contraditório e a um juiz imparcial para avaliar tudo isso que ainda vai ser apurado”, pontuou.
.
Outros padres
Os depoimentos aos quais o G1 teve acesso trazem relatos de pedofilia envolvendo mais quatro padres. Em dois casos, o depoente ressalta que as vítimas, todas menores de idade, eram pobres. Há relatos de meninos sendo levados à casa paroquial ou à própria casa do padre e conquistados com presentes.
Mudança na investigação
O procurador-geral da República em exercício, José Bonifácio de Andrade, decidiu liminarmente transferir as investigações de exploração sexual de crianças e adolescentes por membros da Igreja Católica na Paraíba do MPT para o Ministério Público da Paraíba (MPPB). Segundo ele, as denúncias têm repercussão criminal, que é uma atribuição do Ministério Público estadual, e não indicam que a exploração sexual de menores tiveram fins comerciais.

O MPT-PB confirmou que a investigação foi suspensa temporariamente, mas afirmou que vai tomar as medidas cabíveis para que o poder investigatório do MPT seja restaurado e o procedimento retome o seu curso.
“O procedimento [no MPT] ainda se encontra sigiloso, somente tendo acesso às peças os advogados devidamente habilitados nos autos, para o regular exercício do direito de defesa dos seus constituintes”, diz em nota o Ministério Público do Trabalho.

Fonte:G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.