Criadores e agricultores do Nordeste continuam sofrendo com a estiagem

Com chuvas irregulares há anos e o nível de muitos reservatórios baixo, as criações de animais sofrem no Nordeste.
Em Serra Talhada, sertão de Pernambuco, nada de verde. O milho e o feijão que Marcos plantou no início do ano não germinaram. Agora, ele está se virando do jeito que pode. Alimenta as vacas e os bezerros que tem, com o mandacaru, que é triturado. A água que a família precisa para o dia a dia só chega quando os caminhões-pipa vão abastecer as cisternas. E para os animais, usa a água de poço artesiano - que, segundo ele, é muito salgada. Mas é só o que tem.
Há cinco anos não chove como deveria no sertão. Com isso, vários reservatórios estão secos. Serra Talhada tem quatro barragens de grande porte, a do jazigo é uma delas. Ela tem capacidade de 15 milhões de metros cúbicos e fornecia água para irrigação de 400 famílias agricultoras. Mas com a falta de chuva, ela secou. O sítio onde dona Francisca mora, também está sem água. A situação fez ela tomar uma medida drástica: vai se mudar. "Antes eu pensava que nunca sairia daqui. Mas veio essa seca, eu vou sair para onde tem água".

A seca também causa muitas perdas na Paraíba. As redes de pesca do senhor Francisco Ferreira, agora são apenas lembranças de um tempo de fartura. "Criava aqui 2.500 peixes. Agora, no total dos criatórios, eu criava 16 mil peixes. E hoje tem 200 peixes", lamenta ele.
Em todo o estado, mais de meio milhão de pessoas estão sendo afetadas pela seca. O senhor Luiz Gomes, que mora em Sousa, também viu a produção cair por causa da seca. Do rebanho de cerca de 500 cabeças, restaram pouco mais de 100. Das terras dele saíam, em média, 380 litros de leite por dia. Hoje, são apenas 100 litros. "Hoje, com 70 anos, eu tô tendo de trabalhar no lugar de um vaqueiro, ajudando, porque não dá pra pagar a dois, aí fica difícil, né?". Com a água que restou em um pequeno açude, ele irriga o capim. "Voltando no normal, a gente melhora rápido também, a gente tem coragem de trabalhar aqui, que produz a terra boa. Agora, sem água, não tem terra boa, né?", afirma o produtor rural.
Segundo levantamento do Ministério da Integração Nacional, 697 municípios do Nordeste estão em situação de emergência por causa da seca.

Fonte:G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.