Professor de história tem museu do Nordeste dentro de casa, na Paraíba

Um professor do curso de história da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Campina Grande, transformou a própria residência em um “Museu Vivo do Nordeste”. Adotando um conceito de "museu casa", ele faz a recomposição de moradias e ambientes típicos do semiárido nordestino. As peças expostas têm de 50 a 200 anos. O local existe há quase 10 anos, no bairro Bodocongó, na zona oeste da cidade. Para visitar o museu é necessário fazer agendamento, mas a entrada é gratuita.

O professor Adonhiran Ribeiro dos Santos explica que o museu surgiu por meio de um projeto de extensão da UEPB. No local é possível encontrar móveis, armas, medicamentos, acessórios, ferramentes, instrumentos musicais e até um fogão a lenha que ainda é usado por ele, além de outros objetos e utensílios. Ao todo, são cerca de 600 peças. A viagem no tempo começa logo na entrada, onde o visitante precisa balançar um chocalho bovino que serve como campainha. 


“Quem entra no museu tem a sensação de estar num lugar verdadeiro daquela época, típico do Nordeste. Uma das vantagens desse conceito de museu é que as peças ficam expostas e o visitante pode pegar e até usar a maior parte delas, diferente de outros museus onde as peças ficam protegidas por vidros e alarmes”, disse o professor.
Com agendamentos para visitas, o museu conta com apresentações de trios de forró pé-de-serra, emboladores de coco e outras atrações artistas da cultura regional.
No museu casa, o professor Adonhiram mora com a esposa e a filha mais nova. Neste mesmo local ele criou outros dois filhos, que atualmente são casados e moram em outras casas. Apesar da transformação na residência e necessidade do cuidado com as peças, a família do professor gosta da ideia.

“No início, minha esposa ficou um pouco chateada. São muitas peças pela casa, mas, todos já se acostumaram”, disse.
A maior parte das peças que o museu conta foram adquiridas pelo próprio professor, outra parte foi doada por outros professores e alunos da UEPB, por meio de um projeto de extensão, e uma pequena parte foram de peças encontradas perdidas.
“Sempre que eu viajo para o interior, eu tenho o cuidado de passar com calma pelas estradas vicinais. Vez ou outra encontro peças jogadas em cantos de cercas, ou terrenos abandonados. Muitas vezes os antigos donos jogam, sem saberem o valor histórico que aquela peça tem”, explicou ele.
Pilão de 200 anos
Uma das peças mais antigas que museu tem é um pilão com cerca de 200 anos. O professor explica que ele foi usado por famílias da cidade de Gurjão, no Cariri, para amassar grãos. A peça foi encontrada em 2006. “Outro pilão bastante raro que eu encontrei foi o 'pilão deitado'. Essa peça estava jogada do lado de uma árvore sendo usada como banco para as pessoas sentarem”, lembrou Adonhiran.

Plantas
Além dos objetos, ferramentas e utensílios, o museu conta com dois ambientes composto de plantas da região.
No espaço batizado de “Meu Cariri” são encontrados mamonas, arrudas, espadas de São Jorge, comigo-ninguém-pode, mandacarú, cacto e a dama da noite, além de outras espécies trepadeiras e medicinais.

“São plantas que ainda hoje muitos moradores da zona rural cultivam em suas casas. Algumas para serem usadas em chás e medicações caseiras, como também por conta de algumas crenças, como o exemplo de plantas que eles acreditam afastar energias negativas da casa”, contou Adonhiran.

Cozinha do século 20
Outro ambiente que chama a atenção dos visitantes é a recomposição de uma cozinha típica do Nordeste brasileiro, no início do século 20. Nela existe um fogão a lenha com panelas de barro que ainda são usadas pelo professor.
“Geralmente, no São João, a gente acende o fogão e faz comida. Me reúno com familiares e amigos e aqui a gente revive os festejos juninos da época de nossa infância”, destacou o professor.
Ainda na cozinha, são encontradas garrafas de cachaças e outras bebidas alcoólicas antigas. Para não perder a tradição, ao passar pela cozinha do museu, não é difícil encontrar cascas de laranjas jogadas na estrutura que sustenta o telhado. “Antigamente as mulheres tinham a crença de que se jogassem a casca da laranja no teto e ela ficasse presa na madeira que sustenta o telhado, seria sinal de um bom casamento”, contou Adonhiran.
Agendamento de visitas
Para visitar o local é necessário fazer um agendamento por meio do telefone (83) 3333-1936. A visita pode ser feita também por grupos de estudantes. O museu fica na Rua Manoel Joaquim Ribeiro, 239, Bodocongó, em Campina Grande.

Fonte:G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.