População do Roger, em JP, recebe atividades do Circuito Comunidade

O Ginásio do Guarany abriu as portas para a população do bairro do Roger, em João Pessoa. No local, das 8h às 12h, o espaço recebeu uma vasta programação que envolveu a prestação de serviços e muita diversão. Assim foi o Circuito Comunidade, projeto da TV Cabo Branco com a Central Única das Favelas (Cufa). 
Crianças e adultos marcaram presença no evento, que foi embalado com muita música e apresentações culturais. A cada momento subiam ao palco diversos grupos, grande parte talento do próprio Roger. Teve atração para todos os gostos, do gospel à cultura popular, do sertanejo ao hip hop. Entre os destaques, estavam a dupla Paulo Sérgio e Daniel, a quadrilha Lajeiro Seco, o grupo de percussão Oficinas da Pólvora (Casa Pequeno Davi) e o pagode Raízes de Jampa.
Do outro lado, a energia era das crianças, que não paravam de curtir os brinquedos infláveis. Na fila, os primos Renan, de 5 anos, e Mateus, 8 anos, estavam a mil por hora. “A gente já brincou no pula-pula e agora vamos para o tobogã. Aqui está muito legal”, falaram. Ainda houve a distribuição de lanches, oficina de trançado afro e pintura em rosto.

Para os adultos, o importante era a ciranda de serviços. Graças à parceria com a faculdade Maurício de Nassau, foram oferecidos cálculos de massa corporal (IMC), aferições de pressão arterial e suporte jurídico.
O casal Lenira Gomes e George Carneiro foi um dos presentes. Os dois são moradores do bairro do Cabo Branco e viram na TV que a emissora estava preparando um superevento no Roger. Eles não contaram conversa e foram conferir de perto o Circuito. “Domingo é um dia em que não tenho nada para fazer. Aproveitei para vir aqui e verifiquei minha pressão. Está tudo em ordem”, disse George.

Segundo a assistente de programação e operações das TVs Cabo Branco e Paraíba, Marcela Quirino, o objetivo do evento foi alcançado. “A gente conseguiu reunir vários serviços gratuitos e os artistas locais em torno de uma única proposta, que é mostrar os valores da comunidade sem esquecer a união das famílias”, ressaltou.
Opinião parecida tem o coordenador municipal da Cufa. “O Circuito Comunidade é isso. É fazer com que esses atores sociais se integrem em uma ação coletiva junto com própria comunidade para a comunidade. Isso é para que eles percebam que são a ferramenta de transformação da realidade”, concluiu.

Fonte:G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.