Jovens da Paraíba se organizam há dois anos para JMJ na Polônia

Uma longa viagem, uma organização que soma até dois anos e um momento de renovação da fé. Esses pontos são apenas três dos que devem marcar a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de 2016, que vai acontecer de 26 a 31 de julho, na cidade de Cracóvia, na Polônia para jovens paraibanos que já estão de malas prontas. Alguns estão se programando desde 2014, outros começaram a vender rifas e pedir doações desde o ano passado.
Com tema “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia”, a Jornada de 2016 vai relembrar as experiências vividas por muitos na última edição da JMJ, que aconteceu no Rio de Janeiro em 2013. O padre Luís Carlos, da Paraíba, vai ser um dos milhares de participantes que devem ocupar a cidade de Cracóvia durante o evento. Para ele, o momento é de humanização e experiência para os jovens.

“A experiência no Brasil com a visita do Papa foi renovadora. As mensagens transmitidas pelo Papa são cristãs e humanizadas, carregadas de valores humanos. Além da experiência de ouvir essas mensagens, os jovens podem criar outros laços culturais, com jovens de diversos países, trocando experiência e estratégias mais humanas”, destacou o padre Luís Carlos.
Com a experiência vivenciada na Jornada de 2013, os jovens ficaram ansiosos para participar novamente do encontro. Pedro Paulo Cardoso é um deles e já se organiza há dois anos. Ele vai junto com um grupo de 45 pessoas, sendo 15 de João Pessoa. “Ir para jornada é encontrar a igreja católica. A gente encontra pessoas do mundo todo que professam a mesma fé. Chega de corrupção e pedofilia dentro da igreja, isso não faz sentido. Na Jornada, o que faz sentido é estar com os irmãos. Nosso foco é Cristo. A dimensão do momento é maior que tudo”, reflete.
É uma manifestação de alegria, os jovens têm esperança com a igreja e com a humanidade. Eu vi que os jovens tinham a força de mudar o mundo para melhor."
Richardson Marcelo, missionário da comunidade católica Nova Beríth
Richardson Marcelo também fez esforços para conseguir chegar à Cracóvia e se reunir com jovens do mundo todo em busca de um único propósito. Na Jornada do Rio de Janeiro, Richardson se sentiu em casa, acolhido e sem medo. Em Cracóvia, ele já afirma que o clima não será diferente. “É uma manifestação de alegria, os jovens têm esperança com a igreja e com a humanidade. Eu vi que os jovens tinham a força de mudar o mundo para melhor”, relembrou.
Consagrado de vida e missionário da comunidade católica Nova Beríth, Richardson destaca que escutar o Papa é uma “experiência forte” e esse é um dos motivos que o levam para Cracóvia. “A Jornada renova a minha fé, é uma experiência que renova tudo que eu creio. Vale a pena ser de Deus e ter amor pela humanidade. Essa experiência me fortalece e reanima a minha vocação da vida missionária”, disse.

Custos é alto e exige estratégias
O custo é alto e ultrapassa as rendas mensais de muitos participantes. No entanto, os jovens buscaram vias alternativas para tentar concretizar o sonho de renovar a missão de evangelizar. Muitos compraram passagens individuais e se organizaram coletivamente para que vivessem o momento da Jornada juntos.
Richardson Marcelo vive de doações e confirma que foi difícil conseguir os recursos da viagem. Com um pacote custando em torno de R$ 5 mil, há um ano ele tem trabalhado em busca de doações de amigos e da família. Outras pessoas também contribuíram com a sua ida para Cracóvia. Após o encerramento da Jornada, Richardson vai para a África realizar trabalho voluntário e espera que as palavras do Papa Francisco sirvam de ensinamento para a sua missão de saúde e evangelização.
O grupo que Renan Soares, de 26 anos, vai acompanhar também pagou em média R$ 5 mil por todos os custos na Cracóvia. “Não conseguimos comprar as passagens na mesma data, mas ficaremos no mesmo alojamento, que custou em média R$ 1 mil, juntando alimentação e hospedagem”, disse. No entanto, para Renan o valor vale a pena. “A Jornada significa muito para mim, porque eu vou renovar a minha fé, encontrar pessoas do mundo todo, vou ter experiências únicas e isso significa muito do ponto de vista da minha fé”, ressaltou.

No entanto, alguns jovens não conseguiram juntar o dinheiro suficiente para viajar. Foi o caso de Pryccylla Regis, que desde a Jornada Mundial da Juventude de 2013, no Rio de Janeiro, nutre a vontade de fazer parte da edição em Cracóvia. Para Pryccylla, a JMJ é uma oportunidade de conhecer católicos no mundo inteiro e de perceber o quanto a igreja é viva e jovem. “Me encantou muito ver pessoas, povos de todos os lugares e raças no Rio de Janeiro. E então senti vontade de ir também para a Polônia”, contou.
Desde setembro de 2015, Pryccylla, de 23 anos, se organiza para participar de mais uma Jornada. Conseguiu ajuda de algumas pessoas, vendeu algumas coisas, pediu dinheiro a alguns contatos das redes sociais, explicando a causa, e conseguiu receber doações entre R$ 10 e R$ 500, mas não foi o suficiente para realizar mais uma vez o sonho de participar da JMJ.
Agora falta pouco mais de uma semana para a viagem e Pryccylla conseguiu apenas R$ 2,5 mil. Muito para a sua realidade, mas pouco para o que precisa. “Caí na real e desisti”, lamentou. Agora, Pryccylla vai utilizar o dinheiro que as pessoas doaram para ir à canonização de Madre Teresa de Calcutá, que acontecerá no dia 4 de setembro. “Pelo menos eu tentei”, completou.
O que é a Jornada Mundial da Juventude
A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) é um encontro internacional católico que reúne jovens do mundo inteiro juntamente com catequistas, sacerdotes, bispos e o Papa, que se reúnem em um mesmo lugar para professar a fé. Os encontros acontecem, geralmente, de três em três anos, em países diferentes. O fundador e o primeiro anfitrião da JMJ foi São João Paulo II.
O principal objetivo da Jornada é viver alguns dias em comunhão com a Igreja. Os encontros já passaram por Roma, Buenos Aires, Santiago de Compostela, Czestochowa, Denver, Manila, Paris, Toronto, Colônia, Sidney, Madri e a última aconteceu no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, com o Papa Francisco.
Em Cracóvia, na Polônia, o lema da Jornada será “Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia” , inspirado em um trecho do evangelho de Mateus. O lema representa o Ano Santo da Misericórdia, instituído pelo Papa Francisco e que acontece de 8 de dezembro de 2015 a 20 de novembro de 2016.

Fonte G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.