Fiep propõe que Campina Grande use água de açude do Brejo na PB

Devido à crise hídrica que tem atingido a cidade de Campina Grande, no Agreste paraibano, e que tem obrigado a população a adotar um regime de racionamento de água, a Federação da Indústria da Paraíba (Fiep) apresentou uma nova proposta para abastecimento dos moradores e das indústrias da cidade. O plano foi divulgado na tarde desta quinta-feira (21), na sede da federação, onde foi proposta a construção de adutoras de engate rápido em açudes da cidade de Areia, no Brejo paraibano e no distrito de Galante.

Segundo a Fiep, as propostas são alternativas para o colapso de água até o mês janeiro de 2017, caso não chova o suficiente para melhorar o nível de água do açude de Boqueirão, que abastece Campina Grande, ou não cheguem as águas por meio da Transposição do Rio São Francisco, que está em obras.
De acordo com a proposta da Fiep, Campina Grande passaria a ser abastecida pelo açude Saulo Maia, no município de Areia, no Brejo paraibano. “Seria construída uma adutora de engate rápido do açude Saulo Maia para a estação de tratamento de Remígio e outra para Alagoa Nova. De lá, a água seria trazida pela adutora já existente para Campina Grande”, explicou o presidente da Fiep, Buega Gadelha, alegando que a água seria para o consumo humano.
Já para o abastecimento do parque industrial de Campina Grande, a Fiep propõe que ele seja feito pelas águas do açude José Rodrigues, no distrito de Galante, na zona rual de Campina Grande, por meio de uma adutora de engate rápido. Segundo a Fiep, Campina Grande tem 1,7 mil indústrias, incluindo grandes, médias e pequenas, garantindo cerca de 30 mil empregos. Os recursos para construir as adutoras seriam garantidos pelo governo federal e as obras feitas pelo Grupamento de Engenharia do Exército Brasileiro, sediado em João Pessoa.

Reunião com Michel Temer
Ainda de acordo com Buega Gadelha, a proposta foi apresentada terça-feira (19) ao presidente em exercício, Michel Temer, durante um encontro junto a outros representantes de Federações de Indústrias de outros três estados do Nordeste.
“Na reunião, apresentamos uma pauta de temas relevantes que estão diretamente relacionados ao desenvolvimento do setor industrial da Paraíba, a exemplo da Transposição de Águas do São Francisco, entre outras medidas emergenciais em face do colapso no abastecimento d’água de Campina Grande”, explicou.
Para defender a proposta, o presidente da Fiep falou da atual situação de Campina Grande e mais 18 cidades do seu entorno que são abastecidas pelo açude de Boqueirão que, nesta quinta-feira, está com 8,2% de sua capacidade total, segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa). Este é o nível mais baixo desde sua construção, em 1957.

Fonte:G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.