Dom Aldo e autora de carta com denúncias participam de audiência


Dom Aldo Pagotto e aautora da carta que contém denúncias de pedofilia contra ele participaram na tarde desta quinta-feira (14) audiência de instrução da ação contra a mulher, no Fórum Criminal de João Pessoa. De acordo com funcionários do Fórum, agora as duas partes devem entregar as alegações finais. Após a defesa ser entregue por escrito, o anúncio da sentença será marcado.

(Correção: ao ser publicada, esta reportagem errou ao informar que Iarley era o nome da ré na ação. Iarley é, na verdade, advogado dele. O erro foi corrigido às 7h20 desta sexta-feira, 15.)
Nenhuma das partes, nem o juiz, quis falar sobre o caso após a audiência. Foi dado o prazo de cinco dias para a acusação entregar as alegações por escrito e, depois, mais cinco dias para a entrega dos documentos pela defesa. 
O advogado da ré, Iarley Maia, havia solicitado o adiamento da audiêcia alegando que a defesa de Dom Aldo teria juntado novos documentos no processo, aos quais ele não teve acesso.
O G1 fez uma consulta processual e verificou que duas petições foram apresentadas na quarta-feira (13) e mais uma nesta quinta-feira, mas não teve acesso ao teor dos documentos. Antes disso, o último registro de movimento de documentos no processo e identificado como da parte de Dom Aldo, que renunciou ao cargo de arcebispo da Paraíba no dia 6,  é do dia 1º de julho.

A assessoria de imprensa da Arquidiocese da Paraíba informou que Dom Aldo prefere não falar com a imprensa, mas segue firme no intuito de processar a mulher por calúnia e difamação. Segundo a assessoria, o bispo emérito afirma que a mulher não apresentou provas das denúncias feitas na carta e ainda se recusou, na audiência de conciliação realizada no dia 19 de abril, a retirar as acusações, dando prosseguimento ao processo.
Para o advogado da autora da carta, a renúncia de Dom Aldo não deve ter influência no julgamento da cliente dele. “Ela foi muito pressionada, caluniada, difamada e até desrespeitada em sua honra. Colocaram em dúvida a sanidade mental dela. Foi preciso os exames de sanidade mental para comprovar que isso não existia”, explicou. Iarley Maia ainda negou a tese de que a mulher teria negado as informações denunciadas à Igreja.
Renúncia
Dom Aldo apresentou uma carta de renúncia, que foi aceita pela Congregação para os Bispos. Na quarta-feira, um decreto do Papa sobre a renúncia foi publicado no site do Vaticano. Ao aceitar a renúncia de Dom Aldo, Papa Francisco nomeou Dom Genival Saraiva de França como Administrador Apostólico da Arquidiocese até que um novo arcebispo seja nomeado. 
A agência de notícias AFP, ao noticiar a renúncia de Dom Aldo, destacou a investigação contra o arcebispo, que começou em 2015. Em uma carta enviada ao Vaticano, a mulher relatou que Dom Aldo mantinha relação afetiva e sexual com um jovem de 18 anos e permitia e encobria o relacionamento de padres e seminaristas com crianças e adolescentes. No mesmo ano, o arcebispo foi alvo de visitas canônicas e teria sido impedido de ordenar novos padres.
Em sua carta de renúncia, Dom Aldo afirma que cometeu erros "por confiar demais, numa ingênua misericórdia". "Acolhi padres e seminaristas, no intuito de lhes oferecer novas chances na vida. Entre outros, alguns egressos, posteriormente suspeitos de cometer graves defecções, contrárias à idoneidade exigida no sagrado ministério", destaca.
O Papa Francisco decidiu no início de junho pressionar a hierarquia católica a abrir caminho para o afastamento de padres culpados por negligência envolvendo casos de pedofilia dentro da Igreja. Francisco criou uma instância judiciária para julgar os padres pedófilos e instituiu uma comissão internacional de especialistas encarregados de propor medidas de prevenção desses casos.
Carta de renúncia
Em sua carta de renúncia, Dom Aldo, que esteve à frente da Igreja Católica na região de João Pessoa por 12 anos, cita os motivos que o levaram a tomar a decisão de se afastar da Arquidiocese, mas também resgata sua história no cargo.
"Tentei doar o melhor de mim mesmo, não obstante as sérias limitações de saúde, ademais das repercussões no equilíbrio emocional, causadas pela constante necessidade de superar conflitos inevitáveis, advindos de reações ao meu modo de ser e de agir", diz. Com a renúncia, Dom Aldo passa a ser considerado bispo emérito da Paraíba

Fonte G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.