Comissão propõe sindicância para investigar apologia a estupro na UFPB

Um suposto caso de apologia ao estupro durante um trote de estudantes universitários está sendo investigado pela Comissão de Direitos Humanos da UFPB. De acordo com a denúncia, feita por uma estudante da instituição, alguns estudantes veteranos estariam forçando as alunas novatas a usarem uma placa com a frase “miss estupra”. Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (19), entre a Comissão, a direção do Centro de Tecnologia e a coordenação do curso de engenharia química, foi feito um requerimento formal pedindo uma sindicância para investigar a realização do trote e apologia ao estupro.

Segundo o professor José Batista de Melo Neto, membro permanente da Comissão de Direitos Humanos da UFPB, a informação que chegou à comissão foi de que o trote teria sido feito por estudantes do curso de engenharia química e que a sindicância deverá apurar a identidade e o curso dos estudantes.
O coordenador do curso de engenharia química, Alfredo Garnica, afirmou, no entanto, que os alunos ddo curso realizaram o trote na segunda-feira (18), data posterior à denúncia, e que não estão envolvidos no caso.
Além disso, a Comissão de Direitos Humanos decidiu junto aos presentes na reunião que será ministrada uma palestra para os estudantes dos cursos que compõem o Centro de Tecnologia da Universidade Federal da Paraíba para discutir e conscientizar sobre a cultura de estupro. A Comissão é formada por onze membros efetivos e oito colaboradores e é composta por professores efetivos, substitutos e discientes. Ela foi instaurada formalmente ao gabinete da reitoria desde 1990.
O trote teria acontecido na sexta-feira (15), e um professor integrante do núcleo denunciou a prática por meio das redes sociais. Segundo o professor Estêvão Palitot, que atua no Departamento de Ciências Sociais do campus IV, em Rio Tinto, Litoral Norte, ele estava indo até o Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB quando viu os professores debatendo o assunto. “A aluna conseguiu pegar a placa e levou para denunciar e provar o acontecimento. Eu fiquei indignado com a situação e resolvi postar o material para que as pessoas se conscientizassem sobre a situação”, explicou.
Palitot explicou que o debate sobre os trotes universitários precisa ser levado para o campo acadêmico. “A questão do trote, em si, já é algo problemático e precisa ser discutido em nível acadêmico, inclusive. O que vemos são muitos casos de violência, não só física, mas também simbólica, como é neste caso, e isso é algo que não podemos deixar passar. Este tipo de prática, da cultura do estupro, deve ser enfrentada”, disse.

Fonte;.G1
Compartilha via Whatsapp

Sobre Hugo Freitas

O AGORAPB O SEU PORTAL DE NOTÍCIAS
    Comentário via Blogger
    Comentário via facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Os leitores que quiserem fazer algum comentário, devem estar logados no facebook, clicar em Like e escrever na caixa de texto que se abrirá automaticamente.